Negociações emperram no Grupo 3

Compartilhe

Nesta quarta-feira, 20, aconteceu a sexta rodada de negociação com o Grupo 3, que reúne os sindicatos patronais dos segmentos de peças, parafusos e forjaria. O encontro aconteceu na sede da Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT São Paulo, a FEM-CUT/SP, em São Bernardo do Campo.

Diante da aprovação da Reforma Trabalhista e da aproximação do início da vigência das mudanças, a FEM-CUT/SP tem como objetivo para esta Campanha garantir os direitos dos metalúrgicos e metalúrgicas da base. “A Convenção Coletiva de Trabalho é como se fosse a bíblia do trabalhador dentro da fábrica, é este documento que garante direitos para a categoria”, explicou Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, presidente da FEM-CUT/SP.

O Grupo 3, que está há 3 anos sem assinar a Convenção, insiste na retirada de direitos. Um dos ataques da bancada patronal é contra as garantias previstas na CCT aos trabalhadores acidentados e portadores de doença profissional. No Brasil, apenas os trabalhadores/as da base da FEM-CUT/SP ainda tem esse direito garantido. “Eles estão condicionando a assinatura da convenção a retirada desses direitos do documento”, explicou Luizão. “Apesar da melhora nos indicativos econômicos de alguns segmentos do grupo, o cenário não é o ideal. O momento é delicado por conta da aproximação do início da validade da reforma trabalhista e apenas com muita mobilização da categoria poderemos reverter esse cenário, iniciar o debate da cláusula econômica e assinar a convenção que garanta nossos direitos”, finalizou Luizão.

Os sindicatos irão intensificar a mobilização nos próximos dias nas bases da FEM-CUT/SP e a bancada dos trabalhadores/as deve voltar a se reunir com o Grupo 3 na próxima semana.

 

Agência de notícias da  FEM-CUT/SP

Foto: Marina Selerges


Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *