Metalúrgicos da CUT São Paulo aprovam por unanimidade eixos da Campanha Salarial 2017

Compartilhe

Reunidos em São Bernardo do Campo, cerca de 200 metalúrgicos/as aprovaram por unanimidade 5 eixos centrais que vão nortear a Campanha Salarial 2017. Com o slogan “Resistência, Unidade e Luta”, a Campanha celebra em sua identidade visual os 100 anos da Revolução Russa e os 100 anos da primeira Greve Geral no Brasil.

Os 5 eixos prioritários são 40 horas semanais; reposição da inflação e aumento real; não à perda de direitos, não à terceirização; não às reformas. “Os eixos da campanha ilustram bem o momento que estamos vivendo”, aponta Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, Presidente da FEM-CUT/SP, lembrando a grave crise econômica em que o Brasil se encontra, além das reformas que estão tramitando no Congresso Nacional. A Plenária Estatutária da entidade também aprovou o calendário para a Campanha Salarial de 2017.

Os participantes debateram a conjuntura nacional política e econômica e também as cláusulas que serão debatidas com o patronal durante o período de campanha. “Sempre soubemos da importância das cláusulas sociais e este ano daremos ainda mais centralidade para ela para combater a retirada de direitos”, destaca Luizão.

A plenária estatutária, que aconteceu no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, contou com a participação de João Cayres, secretário geral da CUT/SP, Loricardo de Oliveira, secretário geral da CNM/CUT, Fausto Augusto Junior, do DIEESE e Paulo Vannuchi, ex-ministro dos Direitos Humanos no governo Lula.

 

Conjuntura

Paulo Vannuchi relembrou que a crise que o país está colocado foi agravada pelo rompimento institucional com o impeachment da Presidenta Dilma Rousseff. “O impeachment da presidenta Dilma rompeu com a institucionalidade e isso é muito prejudicial, já que abre precedentes para que em qualquer crise econômica a solução seja o impedimento presidente de governar, fragilizando ainda mais a democracia”. Para Fausto Augusto Junior a reforma trabalhista é a mais prejudicial para os trabalhadores. “Temos dificuldade em dialogar com a população sobre a reforma trabalhista porque o que está sendo propagandeado pela grande imprensa é que ela vai acabar com o imposto sindical, o que agrada a população, porém não é divulgada o fim dos direitos e a precarização ainda maior que será causada caso ela seja aprovada”.

 

Resgate Histórico

A Campanha Salarial 2017 “Resistência, Unidade e Luta”, traz em sua identidade visual o resgate do Construtivismo Russo, linguagem estética e artística usada durante o período revolucionário russo para dialogar com a população através de cartazes e panfletos. Além de homenagear os 100 anos da Revolução Russa, o objetivo é resgatar o histórico de organização dos trabalhadores para a tomada do poder e o avanço dos direitos da classe contra a exploração do capitalismo.

Em 1917, no Brasil, também aconteceu a primeira greve geral do país. A Campanha Salarial 2017 da FEM-CUT/SP também celebra os 100 anos desta greve. “100 anos depois da Greve de 1917 construímos a maior greve geral da história do Brasil. Em um momento como esse que vivemos, de ataques concretos contra nossos direitos é importante resgatar os diversos momentos de resistência da classe trabalhadora”, explica Luizão.

Agência de notícias da  FEM-CUT/SP

Foto: Adonis Guerra/ SMABC


Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *